11.16.2004

Louco ameaça rebentar prédio

Polícia e bombeiros a postos para o pior na Costa da Caparica

Pedro Silva, 31 anos, barricou-se ontem durante todo o dia num apartamento na Costa da Caparica ameaçando fazer explodir o prédio. Pedro é o actual companheiro de Rita Oliveira, que de manhã o tinha denunciado à polícia, acusando-o de a querer matar.

À hora de fecho desta edição, o inivíduo mantinha-se fechado depois de horas seguidas de tentativas de negociação com agentes do GOE (Grupo de Operações Especiais). À noite chegou à janela e gritou exigindo a presença da televisão, caso contrário suicidava-se fazendo explodir duas botijas de gás.

O aparecimento de Pedro na vida do casal Sérgio e Rita Oliveira começou, segundo os vizinhos na Rua Manuel da Costa, no final de Setembro de 2000. "Deu logo problema", comenta uma vizinha que relatou ter ocorrido "um autêntico inferno durante uma semana". "A Rita começou por dizer que era primo dela, depois já era amigo do casal, mas como ele desatou para aí aos tiros aos vizinhos, agora já diz que nem sabe o nome dele", referiu a vizinha, que estava há horas de pé à espera para entrar em casa.

Depois de uma fuga aparatosa à polícia, quando tentou balear dois vizinhos, Pedro voltou sexta-feira ao apartamento da Costa. "A Rita tinha ido viver com ele para casa da mãe em Lisboa e quando soube que o marido cá tinha metido um casal de loucos veio correr com todos", confidencia a vizinha, que pede o anonimato por temer represálias.

Após o despejo, ficou aberto o caminho à chegada de Pedro, que, "na madrugada de sexta-feira, entrou com um sofá e umas caixas". "Esteve calmo todo o sábado, mas no domingo à noite, depois de vir das compras, subiu ao terraço do prédio e atirou com sacos com água e brinquedos para cima das pessoas", disse a vizinha ao 24horas.

A vizinhança não gostou e chamou a polícia, mas quer Pedro quer Rita fecharam-se em casa e não responderam à PSP. De madrugada os episódios sucederam-se: "Eles tinham uma ligação directa à caixa da electricidade da escada porque a EDP lhes cortou a luz e eu fui lá e arranquei-lhes os fios. Foi uma guerra toda a noite", conta um dos vizinhos que garante ter sido ele a obrigar Rita a fazer queixa na polícia porque, "para ela, isto era tudo uma situação normal", remata.


João Bénard Garcia

24 horas, 2001 (?)

1 Comments:

Blogger oksidus de zink said...

Lá que o homem atire brinquedos aos transeuntes ainda vá que não vá...(o pai natal não deve achar muita graça... mas enfim)

Lá que a Rita ache normal o tipo querer matá-la ainda vá que não vá...

Agora não venham com as tangas do petróleo e dos interesses económicos porque aqui está a prova que a causa das guerras é um simples arrancar de fios da electricidade...

9:30 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home